Posts Tagged ‘Lula’

“Lula é Dilma, Dilma é Lula: Dilma é o pseudônimo de Lula” –a mensagem, propagada incessantemente, produziu os efeitos desejados nas eleições de 2010. Contudo, para além do teatro eleitoral, será verdadeira? Mais que interesse intelectual, a questão tem evidente relevância política quando soam as cornetas do “Volta, Lula!”.

“Volta, Lula!” é a bandeira de uma facção do PT, mas, sobretudo, de setores do alto empresariado, que a difundem com discrição, operando nas sombras. Por motivos distintos, esses dois grupos acreditam que não: Dilma não é Lula. Os petistas engajados no neo-sebastianismo creem que Lula possui “habilidade política” superior, um eufemismo para louvar o desembaraço do ex-presidente na arte da distribuição de fragmentos da máquina pública aos “companheiros”. Os empresários empenhados na mesma campanha, por sua vez, elogiam o “pragmatismo” lulista, que deve ser traduzido como um desprezo básico por qualquer tipo de convicção ideológica –e uma propensão irrefreável a distribuir a bolsa-empresário do BNDES aos magnatas “companheiros”.

De certo modo, uns e outros têm razão. Dilma pode não ser a gerente perfeita, uma lenda que sobrevive apenas entre fanáticos oficialistas, mas conserva uma ética gerencial fundada no conceito de eficiência absolutamente estranha a Lula. A substituição do militante Gabrielli pela administradora Graça Foster na Petrobras é uma prova dramática da diferença. Ao mesmo tempo, Dilma acredita realmente no modelo do capitalismo de Estado. Oriunda do brizolismo, petista da undécima hora, a presidente nutre uma desconfiança fundamental em relação ao mercado. Não é fortuito que, resistindo às pressões de Lula, ela tenha bancado a permanência de um cambaleante Guido Mantega na pasta da Fazenda.

Lula só acredita no que serve às suas conveniências de poder: o ex-presidente pode ser “mercadista” ou “estatista”, conforme as circunstâncias. Dilma também pode ser “mercadista”, mas apenas a contragosto, premida pela conjuntura –ou por Lula. É por isso que a ala “desenvolvimentista” do PT prefere Dilma a Lula. André Singer, um arauto dessa ala, justificou a preferência em coluna publicada na Folha (9/11/13). Caracteristicamente, o texto descrevia uma suposta conspiração dos “donos do dinheiro”, conduzida pela afinada “orquestra” do mercado financeiro (o FMI, a revista “Economist” e a agência Moody’s) contra o indômito governo Dilma. E, como conclusão, sugeria que Lula desempenhava um papel na macabra trama “mercadista”.

Dilma, então, não é Lula, do ponto de vista dos interesses dos magnatas nacionais, dos petistas ocupados noite e dia na colonização do aparelho de Estado e da ala convictamente estatista do PT. Contudo, no que concerne aos interesses da esmagadora maioria dos brasileiros, Dilma é o pseudônimo de Lula pelo simples motivo de que a presidente de direito não exerce a plenitude do poder presidencial. Dilma é Lula no sentido bem preciso de que, nos momentos cruciais, a prerrogativa de decidir repousa nas mãos do presidente de facto.

Lula, o “pragmático”, não Dilma, a “estatista”, deflagrou a política econômica estatista durante seu segundo mandato. O mesmo Lula, não Dilma, deu o sinal de mudança de rota no ano passado, quando a falência do modelo tornou-se evidente para todos (exceto, claro, para os ideólogos “desenvolvimentistas”). Dilma poderia, em tese, ter obtido um grau razoável de independência –mas o fracasso de seu governo impediu que a criatura se libertasse da tutela do criador. Hoje, às vésperas das eleições, tal como há quatro anos, Dilma carece de qualquer lastro político próprio. Num eventual segundo mandato (que o céu nos proteja!), a presidente permaneceria tão refém de Lula quanto sempre foi.

“Volta, Lula”? Lula nunca saiu –como Lula e Dilma asseguram, nesse caso com razão.

(Demétrio Magnoli)

Ah, Dirceu!!

Ah, Dirceu!!

Piadas de Salão

Posted: 24/11/2013 by sobziro in Geral, Palavras de quem sabe
Etiquetas:, , , ,

E agora, como ficam Lula e seu partido? O processo do mensalão chegou ao final, com a condenação dos responsáveis pela falcatrua levada a cabo por destacados membros do governo Lula e do PT: José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil da Presidência; José Genoino, então presidente do Partido dos Trabalhadores; Delúbio Soares, ex-tesoureiro do partido, e João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara de Deputados.

Isso sem falar em Marcos Valério, operador do sistema, e um alto funcionário do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, que entregou R$ 73 milhões ao PT para a compra de
deputados. A pergunta é como ficam Lula, seu partido e o governo petista agora, diante da nação.

Vou referir-me aqui a determinados fatos, de que o leitor talvez não se lembre, mas o ajudarão a entender como nasceu o mensalão. Os fatos são estes: quando Lula foi eleito presidente da República, José Dirceu disse-lhe que o PMDB estava disposto a apoiar seu governo, mas Lula não quis.

Sabem por quê? Porque o PMDB, com o peso que tinha no Congresso, iria exigir dele ministérios e a direção de empresas estatais. Preferia aliar-se a partidos pequenos que, em lugar de altos cargos, se contentariam como muito menos. E assim foi: em vez de ministérios ou empresas estatais, deu-lhes dinheiro. Falando claro, comprou-os com dinheiro público.

Não tenho dúvidas de que Lula não sujou suas mãos nessa tarefa. Encarregou disso, conforme ficou evidente na apuração processual, seu ministro José Dirceu, que, como disse o procurador-geral da República na época, era o chefe da quadrilha. E dela faziam parte, entre outros, além de Marcos Valério e do presidente do PT na época, José Genoino, o diretor da marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, companheiro de partido.

A compra de deputados veio a público porque o então presidente do PTB, Roberto Jefferson, negou-se a aceitar dinheiro em troca do apoio ao governo: queria a direção de Furnas, mas José Dirceu disse não. Esse conflito entre os dois chegou a tal ponto que ele foi à imprensa e denunciou o que o governo fazia para ter apoio dos partidos de sua base parlamentar: comprava-os. Era o mensalão que vinha à tona.

Lula, pego de surpresa, declarou: “Fui traído”. Ou seja, admitiu que a denúncia era verdadeira, mas ele ignorava a falcatrua. Isso ele disse naquela hora, para se safar, porque, pouco depois, refeito do susto, passou a afirmar que era tudo mentira, nunca houve mensalão nenhum. Sucede que, durante sete anos, a Justiça, por meio do exame de documentos, interrogatório e testemunhos, apurou o que realmente aconteceu e definiu o papel de cada um nesse grave crime.

O escândalo, ao eclodir, quase acaba com o PT e o governo Lula. Os membros efetivamente comprometidos com a ética deixaram o partido, e Lula, ao que tudo indica, chamou os executores do mensalão e os fez se deixarem acusar sem contar a verdade. Delúbio assumiu sozinho a culpa por tudo, disse que Lula não sabia de nada. Isso, mesmo estando todos os domingos com ele, na Granja do Torto, fazendo churrasco.

A verdade é que, embora eles pensassem que tudo ia acabar como piada de salão, não foi isso que aconteceu. Rompendo com a tradição de impunidade, que sempre favoreceu aos poderosos, o Supremo Tribunal Federal, num julgamento que foi realizado à vista da nação inteira, decidiu pela condenação e prisão de todos os que comprovadamente participaram da operação criminosa, cujo objetivo era dar apoio político ao presidente Lula.

Em consequência dessa decisão, José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha e Delúbio Soares, entre outros, irão pagar na cadeia pelo crime que cometeram.

Condenados pela Suprema Corte da Justiça, num julgamento em que todos os ministros manifestaram suas opiniões e votaram conforme sua consciência, não tem cabimento dizer que se trata de um julgamento político. Não obstante, Dirceu e Genoino se fazem de vítima e se dizem “presos políticos”. Para isso, seria preciso que o atual governo fosse uma ditadura e que

Dilma é que tivesse mandado prendê-los. Isso, sim, é piada de salão. Soube que, ao sair a ordem de prisão, Lula telefonou para Dirceu e Genoino e lhes disse: “Estamos juntos!”. Só que os dois estão em cana e ele, solto. Outra piada.

(Ferreira Gullar)

DNA-do-mensalão

Diretamente do http://www.testosterona.blog.br/2013/06/03/homens-de-barba-sao-mais-respeitaveis/

barbas7

barba1

barba2

barba3

barba4

barba5

barba71

A Filha da Xuxa

Posted: 15/10/2012 by sobziro in Ctrl C/Ctrl V, Geral, Humor
Etiquetas:, , , , ,

Com algumas atualizações

“Todo mundo sabe que a filha da Xuxa com o Luciano Szafir chama-se Sasha.

Mas… e se fosse com o Pelé?
– Grasha.

E se fosse com o Senna?
– Rasha.
E se fosse com o Eike Batista?
– Ricasha.

E se fosse com o Presidente da Tostines?
– Bolasha.

E se fosse com a Thammy Gretchen?
– Masha.

E se fosse com o Ratinho?
– Escrasha.

E se fosse com o Jacaré do Tchan?
– Agasha.

E se fosse com o Nelson Ned?
– Basha.

E se fosse com o Nei Matogrosso?
– Bisha.

E se fosse com o Rubinho Barrichello?
– Pasha.

E se fosse com o Ministro da Previdência?
– Arrosha.

E se fosse com o Frango da Sadia?
– Côsha.

E se fosse com o Marcos Valério, Delúbio Soares, Severino Cavalcanti ou com a maioria dos deputados mensaleiros de Brasília ?
– Debosha

E se fosse com alguém que ainda acredita no Lula?
– TRÔSHA”

Se fosse com um jogador do Flamengo? Rebaisha

O Chofer do Lula

Posted: 02/06/2012 by sobziro in Geral, Humor, Momento Rage!
Etiquetas:,

O CHOFER DO LULA

Lula e seu chofer passavam por uma estrada quando, subitamente, atropelaram um cachorro, matando-o. Imediatamente Lula pediu a seu chofer que fosse até a fazenda próxima explicar o ocorrido ao dono do animal.

Uma hora mais tarde, Lula vê seu chofer voltar cambaleando, com um charuto Monte Cristo No. 1, na mão, uma garrafa de Johnny Walker Black na outra, além da roupa toda amarrotada.

O que aconteceu?

– perguntou Lula. E o chofer respondeu:

Bem, o fazendeiro me deu o whisky… a mulher dele me deu o charuto, depois degustei de um legítimo churrasco gaúcho com todas as carnes nobres possíveis, acompanhado das mais belas mulheres em trajes mínimos que um homem poderia sonhar!

Meu Deus! O que você disse para eles? – Perguntou Lula.

E o chofer respondeu:

Sou o chofer do Presidente Lula e acabo de matar o cachorro!!!

O que é isso companheiro Gilmar?