Arquivo de Abril, 2013

Quelônio Longevo

Posted: 29/04/2013 by sobziro in Uncategorized

Morreu nesta data (29/4/13), no zoológico do Gizé (Egito), uma tartaruga de 270 anos de idade. De acordo com as informações da Prensa Latina, o animal já era adulto quando Napoleão invadiu o país, no século XVIII. Dentre outros fatos históricos, o réptil, nascido em 1743, presenciou:

– A Revolução Industrial Inglesa

– O Iluminismo francês e a Queda da Bastilha

– A Independência de toda a América (Incluindo os EUA)

– O Neocolonianismo na África e na Ásia

– O Fim da Escravidão

– O fim da hegemonia europeia e o início da estaduniense

– O Crack de 1929

– Duas Guerras Mundiais

– A Guerra Fria

– O fim do Comunismo na URSS e a queda do Muro de Berlim

É, o quelônio mais longevo que já existiu só não viveu para ver dois fatos difíceis de ocorrer: A SAÍDA DE JOSÉ SARNEY DO CONGRESSO E O PALMEIRAS GANHAR UM TÍTULO MUNDIAL!

'Pelo menos vi um ditador do meu país cair!'

‘Pelo menos vi um ditador do meu país cair!’

 

Anúncios

“- Tentar não confundir minha decadência com a decadência do mundo.

– Me aborrecer mais com as pequenas coisas e menos com as graves.

– Ter uma ideia razoável do que não vai me matar. Todo o resto, incluindo o vasto reino das doenças, é uma possibilidade fascinante.

– Aceitar que entre os defeitos dos amigos podem estar a burrice e a falta de caráter.

– Confessar os defeitos confessáveis. Os demais, deixar que os outros descubram.

– Aprender que é impossível não magoar pessoas queridas, momentaneamente ou para sempre, com ou sem razão.

– Antecipar duas diversões da velhice: falar sozinho em casa e ser rabugento em público.

– Entrar num acordo com a inconfiabilidade da memória, incluindo suas manipulações egocêntricas.

– Entrar num acordo conformado com a própria capacidade de concentração.

– Beber mais destilados e menos fermentados. Não fumar e não cheirar cocaína. Ser tolerante com o comportamento noturno das pessoas.

– Comer menos, dormir menos, sair menos de casa para fazer o que não quero.

– Uma vida toda envenenada por futebol.

– Viajar sem máquina fotográfica. Conhecer dezenas de países e não ser capaz de dizer nada que preste sobre a maioria deles.

– Em cidades estranhas, dar um jeito de ir várias vezes ao mesmo restaurante, de preferência um lugar barato, vazio, mediano e próximo ao hotel.

– Não negar o passado: bandas ruins de que gostava, votos ruins em eleição, coisas ruins que escrevi em livros e na imprensa.

– Ter um número razoável de parentes e amigos mortos.

– Ler cada vez mais não ficção. Em ficção, simpatizar com romances longos, difíceis, eventualmente chatos (pode ser uma qualidade).

– Sentar cedo em frente ao computador. Procrastinar o trabalho até o limite da catatonia.

– Sem chance de virar “motorista consciente” a esta altura.

– Não ver novela. Não elogiar publicidade. Não defender políticos.

– Não fazer crítica fácil a religião, artes plásticas contemporâneas, hipsterismo, Big Brother, ONG ecológica.

– Não endossar discurso anti-intelectual nem atacar o “mundinho literário” só porque soa bem para quem nem sabe o que é isso.

– Por outro lado, cultivar a maledicência, uma das maiores bênçãos humanas.

– Em hipótese alguma, questão de honra mesmo, flertar com a ideia de que sou pouco reconhecido porque minha integridade ofende o universo hipócrita.

– Por outro lado, não ser ingênuo quanto ao conceito de meritocracia.

– Para o bem e para o mal, gostar mais de pessoas que de ideias.

– Sonhar frequentemente com coisas que acabaram há mais de 20 anos: colégio, exército, partidas de tênis, a casa onde cresci.

– Últimos anos de paciência com indignação profissional, vitimismo, explicações psicanalíticas, pensamento acadêmico, comparações entre Porto Alegre e São Paulo.

– Não achar que o pessimismo é moralmente superior ao otimismo.

– Não esquecer que tecnologia é instrumento em 90% dos casos e que dá para se adaptar a ela no que importa.

– Espionar os outros nas redes sociais.

– Ser pontual e, portanto, um idiota.

– No sábado, 27/4, é meu aniversário. Talvez o ápice da vida seja agora. Ou será em breve. O mais provável é que já tenha sido.

– Saber da pretensão que é reproduzir voz de sabedoria numa idade dessas.

– Nunca mais encerrar uma lista fazendo referência à própria lista.

– Lamentar pelo resto dos tempos não ter aprendido alemão quando criança, ser alérgico a gatos, o fim dos fliperamas Taito, a venda do centroavante Lima em 1988.

– Ter consciência de que sem mentir um pouco não dá nem para abrir os olhos de manhã.

– Viver como se houvesse muito mais escolhas do que há.

– Pensar se vou ou não ter filhos.

– Seguir comendo carne vermelha.”

(Michael Laub)

Quando a capas de divulgação manjadas não são suficientes.

Robôs sentimentais

Robôs sentimentais

 

Galãs em uma terra apocalíptica

Galãs em uma terra apocalíptica

 

Meteoros odeiam os EUA

Meteoros odeiam os EUA

 

Azedos que ficam legais

Azedos que ficam legais

 

BBB!

BBB!

 

A vida marinha é um desenho!

A vida marinha é um desenho!

 

Parceiros de.....

Parceiros de…..

 

Pinguins radicais

Pinguins radicais

 

Roudinis

Roudinis

 

revendo contos

revendo contos

 

Marte (deveria) atacar

Marte (deveria) atacar

 

Guspindo lava na costa oeste!

Guspindo lava na costa oeste!

diretamente do http://colunistas.ig.com.br/obutecodanet/

 

Os artistas da National Geographic passam inveja nos singelos professores de Geografia e História, que têm se contentar em visualizar à muita distância as paisagens espalhadas pelos confins da Terra. Não basta somente o lugar que fotografam, tem que ter o toque de charme e beleza no ato de clicar e ajeitar a imagem. O ótimo exemplo disso é a Menina Afegã, capa da revista em 1984, de autoria de Steven McCurry. Mas existe uma outra categoria da fotografia, tão bela e necessária para análise e compreensão do espaço geográfico, chamada de Urbex, a qual consiste no registro de lugares abandonados.

Os fotógrafos desse ramo são tanto aventureiros quanto ousados, já que entram em áreas de acesso restrito para registrar elementos que contam uma história, acusam ações do homem e mostram como sucumbiram aos efeitos do tempo misturado com a força da natureza.

Instalações mal-planejadas, fracassos militares, fuga em tempos de guerra, epidemias, elefantes brancos…são vários nomes e motivos de deserção no fator cultural sem serventia, Mas se admirar com o resultado. Eis uma regra para esses profissionais: “nunca tirar nada a mais que fotografias e não deixar nada além de pegadas”.

Keelung (Taiwan)

Keelung (Taiwan)

 

lha Holanda (Baía de Chesapeake - EUA)

lha Holanda (Baía de Chesapeake – EUA)

 

Parque Abandonado (Pequim - China)

Parque Abandonado (Pequim – China)

 

Pista de Bobsleigh (Bósnia)

Pista de Bobsleigh (Bósnia)

 

Sede do Partido Comunista (Bulgária)

Sede do Partido Comunista (Bulgária)

 

Moinho abandonado (Sorrento - Itália)

Moinho abandonado (Sorrento – Itália)

 

Kolmanskop (Namíbia)

Kolmanskop (Namíbia)

 

Czestochowa (Polônia)

Czestochowa (Polônia)

 

Fábrica de Foguetes (Rússia)

Fábrica de Foguetes (Rússia)

 

Forte Maunsell (Inglaterra)

Forte Maunsell (Inglaterra)

 

Hotel del Salto (Colômbia)

Hotel del Salto (Colômbia)

 

Caminho de Jerry (Irlanda)

Caminho de Jerry (Irlanda)

 

Cabana de pesca (Alemanha)

Cabana de pesca (Alemanha)

 

Baía Homebush (Austrália)

Baía Homebush (Austrália)

 

Túnel do Amor (Ucrânia)

Túnel do Amor (Ucrânia)

 

Como a maioria dos reles mortais nunca viu: COMPLETADO!

melhor

Tinha que ser os russos de novo!

images

Prestem atenção nas imagens abaixo. Tentem descobrir o que elas têm em comum.

original-321-640x478

original-52-640x477 original-101-640x425

original-113-640x452

original-114-640x341

original-131-640x484

original-161-640x345

original-171-640x438

original-251-640x446

original-261-640x581

original-271-640x431

original-281-640x477

original-291-640x636

 

 

 

original-311-640x438

Podem ficar pasmos. O que era para ser efeito Instagram na verdade são pinturas realistas, quase todas feitas em tela à óleo. Mais detalhes sobre esses ‘fakes’ em: http://gizmodo.uol.com.br/34-pinturas-realistas-que-voce-vai-ter-certeza-que-sao-fotos/

Celular roubado e inútil

Posted: 09/04/2013 by sobziro in Geral, Previna-se

Não sei se dá certo galera, mas não custa nada divulgar.

“Quando te roubam um celular, sabemos que recuperá-lo é impossível. Os ladrões os vendem rapidamente. A experiência é muito desagradável, mas as companhias operadoras substituem rapidamente o chip e pouco se importam com quem está o celular. O que a operadora quer é consumo. Porém, existe algo muito interessante que vcs devem conhecer e é a forma de se vingar do ladrão que te roubou.

Todos os celulares GSM (ou seja que tem chip) têm um registro de série único que em nenhum telefone a nivel mundial se repete e que se chama : Código IMEI. As operadoras, como é lógico, não o tem registrado para te ajudar. Só os donos do aparelho podem ter acesso ao código. Para obtê-lo digitem : *#06#

Só isso e NÃO PRESSIONE “SEND”. Na tela aparecerá o código IMEI. Anote-o e guarde-o em lugar seguro.

Se te roubarem o celular, chame a operadora e indique o código. O celular será bloqueado completamente e mesmo que o ladrão mude de cartão ou chip, não poderá ligá-lo.

Provavelmente não recuperes teu celular mas pelo menos vc terá a certeza de quem o tiver roubado não poderá utilizá-lo nunca. Se todos nós soubéssemos disto, o roubo de celulares diminuiria porque não tería sentido roubar um aparelho sem serventia. Envia esta dica a todos teus amigos e conhecidos e vamos acabar com os roubos de celulares….. !!!!!”

E o mais importante em terras tupiniquins: não dê bandeira ao usar o celular em locais públicos e abertos

E o mais importante em terras tupiniquins: não dê bandeira ao usar o celular em locais públicos e abertos